DigLitWeb: Digital Literature Web

E-E


Enquadramento, caracterização e avaliação do sítio Luminarium

Maria Conceição Bastos


 

índice | contents

Introdução

1. Enquadramento dos problemas de edição

2. Caracterização da natureza específica da antologia

3. Avaliação crítica

Conclusão

Bibliografia

 


 Introdução

 

Antes de iniciar este trabalho, que tem por objectivo analisar o sítio Luminarium, disponível na Internet, convém esclarecer os pontos principais que serão abordados ao longo deste projecto. Ao longo do presente ano lectivo, tive a oportunidade de aprofundar o meu interesse pelas novas tecnologias da informação. De facto, foi surpreendente constatar que por detrás de aspectos que fazem parte do nosso dia-a-dia estão anos de estudo e pesquisa. Acima de tudo, foi interessante tomar consciência que o desenvolvimento da tecnologia e a sua inserção no quotidiano traz consequências muito relevantes para qualquer ser humano.

Os avanços da tecnologia têm suscitado várias questões no âmbito da edição em ambiente electrónico, nomeadamente sobre quais os critérios de selecção e organização dos textos disponíveis em linha, quais as obras mais relevantes para uma edição em linha e quais os critérios de inclusão de determinados textos em detrimento de outros. Torna-se também importante questionar como é que o progresso ao nível das tecnologias da informação pode auxiliar o processo educativo e quais as noções a ter presentes e a transmitir aos alunos ao incentivar o uso da Internet como meio auxiliar educativo.

Na segunda parte deste trabalho será realizada a caracterização do Luminarium no que concerne à sua estrutura, conteúdos, destinatários e outros aspectos que ajudam a descrever com exactidão o sítio em análise.

Por último, procederei à avaliação crítica quer do sítio quer da utilidade das edições electrónicas em geral, apontando algumas limitações e potencialidades.

 

índice | contents


1. Enquadramento dos problemas de edição

 

Os avanços da tecnologia, e por conseguinte nos meios de informação, originaram alguns problemas, que após muita discussão, ainda não alcançaram o consenso. Aliado às vantagens, por muitos apontadas, em relação às novas tecnologias da informação e de transmissão do conhecimento, está a questão da validade dos textos e da informação on-line.

O número de textos on-line aumenta a cada momento, mas quantidade não significa, necessariamente, qualidade; daí que haja uma grande relutância por parte de vários críticos em reconhecer a validade de determinados textos passados para o formato digital. Enquanto que os textos publicados em formato tipográfico são regulados pela figura do editor, na publicação on-line esse aspecto nem sempre é cumprido.

Quem deve ser responsabilizado pela informação que a cada minuto aparece em linha? Esta é uma questão que provoca e continuará a provocar muita controvérsia. Contudo, neste trabalho, no qual tento enquadrar e caracterizar o sítio Luminarium, torna-se relevante reflectir sobre quais os critérios que são utilizados pelos editores de antologias (como é o caso do Luminarium) ou de edições aquando da selecção de textos que irão fazer parte do sítio.

É óbvio que tal selecção deve obedecer a critérios bastante rigorosos, já que, como é o caso do Luminarium, muitos dos sítios são consultados com fins educativos e, como tal, devem integrar informação fidedigna e válida. Quando se fala de consultas on-line, como base de uma pesquisa para um qualquer trabalho escolar, muitos são aqueles que ainda duvidam da validade dessas pesquisas. Como refere Jerome McGann em "The Rationale of Hypertext” “[w]hen one speaks to colleagues about the emergence of the electronic library, information networks, or about the need and usefulness of making scholarly journals electronic, brows grow dark and troubled”.

No entanto estão comprovadas as vantagens das edições electrónicas, que para além de conterem um conjunto muito vasto de informação, oferecem aos utilizadores a possibilidade de aceder a informação visual e áudio.

A qualidade de um sítio não pode, porém, ser avaliada pela quantidade de informação disponível. Quando pensamos na edição da obra de um autor como William Shakespeare, temos consciência de que estamos a tratar de uma obra vastíssima, sobre a qual frequentemente não há certezas acerca da autoridade dos textos. Há ainda outras situações em que existem várias edições de uma mesma obra de um determinado autor. O problema recai sobre a dúvida se deve ser estabelecido um “copy-text”, isto é, um texto que deverá ser considerado o mais correcto e o que mais se aproxima da intencionalidade do autor ou se, por outro lado, devem ser consideradas todas as edições da obra.

No caso do sítio Luminarium, a editora não poderia incluir todas as edições disponíveis em linha, uma vez que isso de modo algum facilitaria a pesquisa do utilizador. O objectivo desta antologia foi, na verdade, seleccionar e compilar edições e sítios que dispunham informação válida para que o utilizador, aquando da sua pesquisa não fosse confrontado com um imenso número de ocorrências para o nome de um autor ou de uma obra. A selecção da editora recaiu sobre sítios de referência, cuja validade já foi reconhecida, nomeadamente Norton Topics Online, Mr William Shakespeare and the Internet, The Renascence Editions e muitos outros sítios que são propriedade de departamentos de universidades. Publicar em linha uma determinada obra de um autor necessita ainda de obedecer a um outro critério; a existência ou não de direitos de autor. É frequente que as obras contemporâneas não se encontrem no formato digital em linha, uma vez que os direitos do autor estão ainda assegurados. Quando as obras já não se encontram salvaguardadas pelos direitos de autor, como acontece com as obras de escritores antigos, podem ser acedidas livremente em linha. Contudo, as editoras procuram salvaguardar os seus direitos através do lançamento de edições em linha, cujo acesso requer uma inscrição e, obviamente, o pagamento de uma certa quantia. Normalmente as edições sedeadas em universidades e centros de pesquisa não exigem inscrição e têm livre acesso. É óbvio que a facilidade de acesso e de consequente reprodução de um texto levanta questões bastante problemáticas no círculo da publicação, uma vez que a reprodução de textos disponíveis em linha afecta directamente a publicação dos textos tipográficos.

A facilidade de acesso a textos que frequentemente são inacessíveis ou de difícil acesso é, na verdade, uma das grandes vantagens da edição electrónica. O utilizador não se preocupa com o lugar onde poderá estar guardado o texto a que pretende aceder nem a sua pesquisa envolve a deslocação até ao lugar onde a obra está, mas, ao alcance de uma breve pesquisa on-line, o utilizador consegue aceder ao texto que ambiciona e talvez até a uma enorme quantidade de textos relacionados com a obra. No entanto, a grande quantidade de informação disponível em linha poderá causar um estado de “confusão” ao utilizador, caso a sua pesquisa não esteja integrada dentro de um sítio. Através do exemplo do Luminarium é facilmente demonstrável que um utilizador ao aceder a este sítio, cuja pesquisa esteja minimamente fundamentada, consegue facilmente levar a cabo o seu estudo e sem a preocupação de estar a “perder o fio à meada”.

O utilizador pode realizar a pesquisa a seu bel-prazer dentro da antologia através dos sítios e edições seleccionadas pela editora sem que tenha de obedecer a qualquer tipo de sequência. A informação encontra-se devidamente dividida de acordo com o tema, autor e época; cabe ao utilizador usá-la da forma que mais lhe convier. A editora é responsável pela qualidade da informação que faz parte do Luminarium, contudo não se responsabiliza pela informação pertencente a sítios que residem fora da antologia. Por isso, torna-se necessário que o utilizador, com base na informação que já detém em relação a um determinado autor ou obra, consiga simultaneamente realizar a sua pesquisa e ajuizar a validade da informação que está a obter. Torna-se também, por isso, extremamente necessário que toda a informação esteja assinalada com a fonte de onde foi retirada para que o utilizador a possa consultar em caso de dúvida. Peter L. Schillingsburg em Electronic Editions refere que, por exemplo, o “The Gutenberg Project”, possui em linha um número muito vasto de textos “…unreliable, for they are insufficiently proofread, inadequately marked  for font and formating, and they come from who knows where, their sources unrecorded. Its perpetrators apparently believe that any copy of a given title adequately represents the work, that all copies are equally representative of the work and infinitely interchangeable. Texts are assumed to consist of letters and punctuation in a series, regardless of font or format” (Schillingsburg 161).

O editor deve ter presente que um texto não é meramente um amontoado de palavras ou letras, mas que dele fazem parte um conjunto de aspectos que lhe concedem significado. Daí que nenhum editor possa descuidar o formato de apresentação de um texto em linha. O processo de digitalização e publicação electrónica deve ser realizado conscienciosamente de acordo com os aspectos constituintes do texto. Schillingsburg refere que

“[I]n order to achieve a workable, distributable, usable electronic edition, an editor needs a system for encoding the texts so that persons operating different computer machines will still be able to read the archive without loss of textual information or the links between related parts of the archive and so that, when advances in technology make the current hardware and software obsolete, the textual work can be preserved, enhanced, and transported to new and better systems” (Schillingsburg 162).

Através da utilização de um sistema universal de codificação, o editor pode assegurar que qualquer utilizador munido de um computador possa aceder à edição electrónica e, desta forma, assegurar também a longevidade do seu trabalho editorial, não obstante o software ou hardware.

O editor de qualquer edição ou antologia, no caso do Luminarium, deve ter ainda presente os objectivos a que o sítio se propõe e aos utilizadores a que se destina. A editora do Luminarium procedeu a um processo de triagem de materiais, consequente compilação e ordenação de acordo com os critérios que seleccionou previamente. Como podemos verificar quando acedemos à página central da antologia, a editora procurou seleccionar autores e obras que fazem parte do estudo daqueles que se interessam pela Literatura Medieval, Renascentista e do Séc. XVII. Os aspectos da vida de cada autor que são abordados na antologia foram determinados pelos critérios da autora e obedecem a um esquema idêntico para todas as páginas dedicadas a cada um dos autores. Por este motivo, podemos afirmar que a forma de estruturação, a própria informação e materiais presentes na antologia dependem directamente da editora, já que esta chama a si a tarefa de seleccionar toda a informação que está presente no Luminarium. De acordo com Anniina Jokinen, o sítio encontra-se ainda em construção, uma vez que a editora pretende ao longo do tempo inserir informação sobre outros autores de modo a criar uma antologia ainda mais completa ao serviço dos seus utilizadores.

 

índice | contents


2. Caracterização da natureza específica da Antologia

 

O sítio Luminarium, criado e editado por Anniina Jokinen, apresenta-se como uma Antologia em linha reunindo uma colecção de obras literárias que representam três períodos da Literatura Inglesa: Literatura Inglesa Medieval (1350-1485) – “MEDLIT” (http://www.luminarium.org/medlit/), a Literatura Inglesa Renascentista do séc. XVI (1485-1603) – “RENLIT” (http://www.luminarium.org/renlit/) e a Literatura Inglesa da primeira metade do séc. XVII (1603-1660) –“SEVENLIT” (http://www.luminarium.org/sevenlit/). É uma excelente fonte de pesquisa para todos os alunos de Literatura Inglesa e de História Literária, já que oferece um conjunto variado de materiais e de informações sobre cerca de 70 autores das épocas anteriormente mencionadas.

Luminarium não se apresenta aos seus utilizadores como uma edição ou arquivo, mas como uma antologia onde estão concentrados alguns dos autores que, na opinião da editora, devem ser contemplados quando se estuda a Literatura Inglesa Medieval, Renascentista ou do Séc. XVII. Tal como uma antologia tipográfica, este sítio apresenta-nos um conjunto de autores e uma grande variedade de informação acerca destes. Além disto, a editora coloca ao dispor do utilizador um número bastante variado de outros sítios onde pode prosseguir e realizar as suas pesquisas de acordo com os seus interesses ou objectivos.

A editora Anniina Jokinen procedeu a um processo de triagem e de selecção da informação disponível on-line e de seguida compilou todos os materiais de acordo com a época, tema e autor. Todo este processo facilita em grande escala o trabalho quer de estudiosos, quer de estudantes que se interessam pelos temas ou autores que estão presentes na Antologia, uma vez que para realizar a selecção de materiais, de acordo com a sua validade e precisão, seria necessário despender uma grande quantidade de tempo numa pesquisa on-line.

Embora actualmente a Antologia (Luminarium) seja constituída por três secções, estas foram lançadas independentemente no ano de 1996. Este projecto surgiu em consequência da tomada de consciência por parte da editora da dificuldade e demora que uma pesquisa sobre Literatura Medieval na Internet implicava. Desta forma, a construção deste sítio foi iniciado em Julho de 1996 com a “simple one-page site of links to Middle English Literature”, tal como refere Anniina Jokinen em “A Letter from the Editor”.

Cada secção principal da Antologia contém ligações para outras fontes em linha, informações biográficas, versões electrónicas de cada texto, ensaios e artigos on-line. No entanto, este sítio recebe também contribuições e inclui artigos de vários estudiosos, professores e alunos. Os artigos escritos pelos estudantes estão devidamente assinalados de forma a informar os leitores da natureza do artigo e desta forma graduar, inevitavelmente, a validade e autoridade dos artigos http://www.luminarium.org/sevenlit/sevenessay.htm#milton. Os artigos dos colaboradores, quer sejam de académicos ou de estudantes, permitem aos utilizadores da Antologia verificar o que muitos estudiosos pensam em relação a um determinado autor ou em relação a algum aspecto específico da obra de um autor das épocas reunidas do Luminarium.

Os artigos e todo o material publicado em linha são submetidos a um processo de revisão e validação por parte de autoridades entendidas em cada matéria. A precisão das datas e dos pormenores é assegurada pela consulta da 6ª Edição da The Norton Anthology of English Literature, e como tal concede grande validade à informação contida na Antologia. A editora faz questão de referir a grande preocupação de assegurar a qualidade e precisão dos materiais publicados, que são revistos regularmente. Porém, já que grande parte dos materiais seleccionados residem em outros sítios, o sítio Luminarium não se responsabiliza pela qualidade desses materiais. “Some write to me skeptical of the validity of the materials. I often admonish these skeptics to visit the site – with their expertise they should soon realize that the site is scholarly and aims for accuracy at all times. Everything is verified from the authorities in a given subject” (at: http://www.luminarium.org/letter.htm).

A afirmação de Jokinen em relação à validade dos materiais e aos objectivos da Antologia assemelha-se à opinião de Kathryn Sutherland no que diz respeito à necessidade de haver equilíbrio entre a quantidade e a qualidade do material escolhido pelos editores electrónicos (citado por Kathryn Abram em “Electronic Textuality”). A facilidade de adição permanente de materiais não pode nem deve ser vista por parte dos editores como uma forma de reunir todos os textos ou materiais existentes acerca de um autor, mas deve ser ponderada e avaliada, para que o próprio sítio possa ser utilizado por pessoas cujos conhecimentos não lhes permitem ajuizar sobre a validade e precisão da informação. É no seguimento desta ideia que Jokinen refere a impossibilidade de substituir uma biblioteca de qualidade, mas a editora apresenta o Luminarium como um sítio que preenche as necessidades daqueles que não têm acesso a uma biblioteca (de qualidade).

O sítio Luminarium oferece aos seus utilizadores não só a possibilidade de aceder a textos electrónicos dos autores e sobre os autores, mas permite-lhes, através de ferramentas informáticas multimédia, aceder a ligações visuais e de áudio. De facto, na página de entrada do sítio, o utilizador depara-se com um tríptico, que funciona como ponto de partida para aceder às colecções de obras literárias das três épocas que compõem a Antologia. Ainda na página de entrada do Luminarium, o leitor pode aceder a qualquer uma das cinco secções relacionadas com o sítio: “Search the Anthology”, “A Letter from the Editor”, “Awards for Luminarium”, “Visit the Book Store” e “Visit the Poster Store”. Estas secções permitem aos utilizadores obter informações acerca do próprio sítio e de quais os objectivos a que o sítio se propõe através da secção “ A Letter from the Editor”. O mérito e validade do sítio é comprovado pelos mais de 80 prémios concedidos por outras páginas da Internet, tais como a  Best History Web Sites – http://www.besthistorysites.net/index.html. Após a realização de uma pequena pesquisa em relação ao Luminarium, pude verificar que este sítio é aconselhado por diversos críticos e professores como ponto de partida para o estudo da Literatura Inglesa.

O sítio facilita ainda aos seus utilizadores a compra de livros dos autores que fazem parte da Antologia das três épocas através da ligação à Amazon.com na secção “Visit the Book Store”. Desta forma serve como complemento às pesquisas e leituras efectuadas pelo utilizador, já que após ter obtido informação acerca de um determinado autor e da sua obra, o leitor pode directamente através da página relativa a esse autor aceder aos livros disponíveis na Amazon.com. Quando o utilizador visita a Poster Store em http://www.luminarium.com/allposters/ pode visualizar uma variedade de ilustrações relevantes, de acordo com a época que estiver a pesquisar. Nesta secção é possível entrar em contacto com outra dimensão cultural de cada época, pois além dos textos e obras, o utilizador pode aceder também à arte do período.

Relativamente à secção dedicada à Literatura Inglesa Medieval entre 1350-1485 é possível verificar que na sua página de entrada está um Fresco de Giotto, “The Dream of Joachim” (1304-1306), ilustrando a época a que o utilizador está a aceder. Esta secção cobre nove autores importantes, textos e géneros, incluindo Geoffrey Chaucer, Margery Kempe e William Langland. Além disto, estão ainda disponíveis Líricas e Peças Medievais. Cada sub-página desta secção contém ligações a fontes na Internet, informações biográficas de cada autor, versões electrónicas de cada texto, artigos e ensaios on-line. A página dedicada a Chaucer é, sem dúvida, a mais extensa e mais bem desenvolvida, o que poderá estar relacionado com o facto de existir uma maior quantidade de materiais disponíveis on-line sobre este autor. Realizei uma breve pesquisa no motor de busca do Google sobre Geoffrey Chaucer e William Langland e pude verificar que o número de resultados para Chaucer excedia em grande número os resultados de Langland (107,000 para o primeiro e 17,200 para o segundo).

Apesar do âmbito desta secção ser um pouco limitado, inclui muitos dos autores e textos normalmente estudados nos cursos de Literatura Inglesa Medieval. Por exemplo, um estudante que esteja a estudar Sir Gawain and the Green Knight encontraria não apenas uma introdução ao texto, mas também diferentes edições do texto. Jokinen fornece também uma ligação à Universidade de Rochester, a qual está a desenvolver um projecto designado por “The Camelot Project”, que pode ser encontrado em http://lib.Rochester.edu/Camelot/sggk.htm>. Neste endereço o utilizador pode encontrar traduções do texto, imagens e biografias. Um desses textos é o de Jessie L. Weston, que poderá facilitar a compreensão do poema por parte dos leitores.

A secção dedicada à Literatura Inglesa Renascentista entre 1485-1603 – http://www.luminarium.org/renlit - abrange actualmente vinte e oito autores, entre os quais Henry VIII, Sir Thomas More e obviamente William Shakespeare. O aspecto visual do sítio é idêntico ao dedicado à Literatura Medieval, contudo, a nível estrutural, este possui uma página introdutória bastante vasta e de grande importância para os alunos que iniciam o seu estudo acerca da Literatura Inglesa Renascentista. Esta página – “Introduction” – http://www.wwnorton.com está ligada à página dedicada ao Séc.XVI do sítio da Norton Topics Online. Esta secção possui ainda uma página bastante valiosa, uma vez que dispõe de informações sobre aspectos culturais, históricos, políticos, económicos, religiosos, filosóficos e científicos da época renascentista – “Additional resources”. Os aspectos culturais são nesta página bastante aprofundados podendo o utilizador desta secção obter informação relativa à música, dança, teatro, arte, arquitectura, vestuário, alimentação e à imprensa renascentista. A editora do sítio ainda nos consegue surpreender ao apresentar uma página de assuntos variados relacionados com a época renascentista, da qual fazem parte artigos sobre a sociedade, infância e educação, desporto e sobre o desenvolvimento da Literatura popular nesta época.

A terceira secção da Antologia destinada à Literatura Inglesa do séc.XVII – http://www.luminarium.org/sevenlit - é das três a que abrange mais autores, cerca de 34 autores, tais como, John Milton, Francis Bacon ou Sir Isaac Newton. Esta secção, à semelhança da anterior, é constituída por uma página introdutória e por uma página de fontes adicionais que reúne um conjunto variado de informações importantes para quem estuda os autores desta época. Ainda neste sítio, podemos aceder a duas secções especiais, uma dedicada aos “Metaphysical Poets” e a outra aos “The Cavalier Poets”.

É possível constatar que o utilizador se depara com um sítio de grandes dimensões e constituído, na sua maioria, por informação residente em outros lugares da Internet. De forma a auxiliar o utilizador na sua pesquisa, o Luminarium possui na página de entrada um motor de busca – “Search the Anthology” – que lhe permite digitar o nome do autor, o título ou tema que pretende pesquisar.

Uma vez que os textos estão alojados tanto no seio das páginas do Luminarium como fora da Antologia, numa variedade de repositórios electrónicos, muitas das obras e artigos podem ser encontrados através de outros motores de busca. No entanto, o Luminarium possui uma característica verdadeiramente vantajosa para os interessados pela Literatura Inglesa – o facto de a editora ter seleccionado e reunido artigos, citações e ensaios para cada um dos autores presentes na Antologia. Os autores foram seleccionados de acordo com a época a que pertencem (Medieval, Renascimento ou Séc. XVII) e estão dispostos alfabeticamente por nome, de forma a facilitar a pesquisa do utilizador. Apesar da extensão do sítio é possível afirmar que a editora empenhou-se em torná-lo acessível, para que todos os utilizadores, quer detenham a priori alguns conhecimentos em relação às três épocas abrangidas pela Antologia, quer não, possam realizar a sua pesquisa de uma forma lógica.

No caso de um estudante que pretende realizar um levantamento de informações sobre John Milton, a pesquisa poderá iniciar-se por uma introdução à época em que o autor está inserido, Literatura Inglesa do Séc XVII – http://www.wwnorton.com/nael/17century/welcome.htm e, após esta breve leitura introdutória, deve aceder à página dedicada ao autor John Milton na antologia simplesmente clicando no nome que aparece na lista de autores. Deste modo acederá à página do autor http://www.luminarium.org/sevenlit/milton/ , que contém seis secções. Seria lógico que a pesquisa se iniciasse então pela secção dedicada à vida de John Milton e desta forma o estudante poderia aceder a uma curta biografia sobre o autor http://www.kirjasto.sci.fi/jmilton.htm. Após obter informações acerca do autor, o estudante poderia aceder à secção que reúne as obras de Milton – “Works” – que abre uma sub-página ainda dentro da Antologia onde estão presentes as várias obras do autor http://www.luminarium.org/sevenlit/milton/miltbib.htm. A obra Paradise Lost é geralmente a obra mais conhecida de John Milton, até mesmo por aqueles que se começam a interessar pela Literatura Inglesa. Esta obra faz, obviamente, parte da Antologia e através do endereço http://www.luminarium.org/sevenlit/milton/plost.htm o utilizador pode aceder a uma página introdutória da Norton Topics Online, a qual contextualiza a obra  Paradise Lost. Ainda através da página dedicada a Paradise Lost o utilizador pode tomar contacto com várias edições desta mesma obra.

No entanto, na secção dedicada às obras de Milton, não se faz referência apenas à obra Paradise Lost, mas também a outras obras, como Paradise Regained, Comus, à prosa, verso e sonetos deste autor.

Através da primeira secção – “Quotes” – http://www.bartleby.com/100/173.html que acede directamente ao sítio Bartleby.com, o estudante poderá de imediato ficar familiarizado com algumas das citações mais conhecidas de Milton. Outra das secções da página de John Milton contém artigos e ensaios relacionados com este autor e com as suas obras – “Essays” –, contribuições quer de académicos quer de estudantes.

A editora Anniina Jokinen compilou ainda um conjunto de outras fontes em linha que contêm informações sobre este autor na secção “More”, onde o utilizador pode aceder a informações biográficas sobre o autor. Além destas, pode ainda aceder a sítios que possuem ilustrações do Paradise Lost de Milton e a outros sítios dedicados ao autor. Por último, caso o utilizador esteja interessado em adquirir alguma obra do autor que acaba de pesquisar, basta aceder à última secção desta página – “Books” –, onde se encontram várias obras do autor disponíveis para venda no sítio da Amazon.com.

Em suma, quer seja um estudante com escassos conhecimentos relacionados com a Literatura Inglesa do Séc. XVII, quer seja um estudioso sobre o autor John Milton, o utilizador pode aceder a esta página da Antologia e obter uma enorme quantidade de informações tanto sobre a época em que o autor está inserido, como sobre a sua vida, obras e outros aspectos relevantes.

Luminarium constitui, por tudo isto, uma ferramenta de pesquisa e investigação bastante vantajosa e essencial para qualquer interessado pela Literatura Inglesa Medieval, Renascentista ou do Séc.XVII. De facto, a editora conseguiu reunir informação sobre vários autores nesta Antologia de forma a facilitar a pesquisa e as escolhas de todos os interessados por este tema. A grande variedade de informação oferecida pelos três sítios da Antologia e a possibilidade de acompanhar as pesquisas com música e ilustrações fazem desta Antologia – Luminarium – um sítio indicado e recomendado para a pesquisa de informação relativa à Literatura Inglesa das épocas por ela contempladas. Este sítio faz, de facto, jus ao seu nome: o Luminarium ilumina verdadeiramente aqueles que estudam a Literatura Inglesa destas épocas.

 

índice | contents


3. Avaliação Crítica

 

O sítio Luminarium tem como principal objectivo auxiliar a pesquisa dos interessados pela Literatura Inglesa Medieval, Renascentista e do Séc. XVII, tal como já foi referido anteriormente. Já que se apresenta como um sítio com fins educativos, esta antologia on-line serve de apoio aos professores de disciplinas relacionadas com a Literatura Inglesa destas épocas e é também uma preciosa fonte de materiais. Em relação aos alunos, como iremos verificar mais abaixo, o Luminarium constitui uma base de dados de grande qualidade e interesse para aqueles que estudam estes assuntos. O Luminarium oferece aos alunos a possibilidade de não só aceder a informação relativa a vários autores, mas oferece também a oportunidade de entrar em contacto com as ideias e teorias de outros professores e alunos em relação a um determinado autor ou sobre um aspecto específico da obra de um autor.

Relativamente à quantidade de informação presente na antologia em relação aos diferentes autores é possível verificar que o número de materiais disponíveis varia. Esta variação será produto, possivelmente, da menor existência de informação electrónica em relação a autores menos conhecidos. Isto é, autores como Chaucer na secção da Literatura Medieval têm uma variedade de materiais disponível muito maior do que, por exemplo, o autor da mesma época, Sir Thomas Malory. Apesar do esforço da editora em compilar os sítios dedicados a cada autor, esta diferença em relação à quantidade de informação disponível para cada um, pode ser vista como uma limitação.

O Luminarium pode ser acedido por qualquer utilizador da Internet, já que este sítio é de acesso livre, sem necessidade de inscrição. Qualquer utilizador que, porventura, aceda ao sítio Luminarium pode fazer uma pesquisa, ou apenas percorrer algumas secções constituintes da antologia sem qualquer objectivo, e acabará, com toda a certeza, por não considerar o tempo como perdido, uma vez que o aspecto gráfico do Luminarium é bastante envolvente e, em conjunto com os sons emitidos quando as páginas dos autores são acedidas, tornam o Luminarium, um sítio bastante agradável quer à vista quer ao ouvido de qualquer utilizador. Além disto e apesar da extensão do Luminarium, o sítio é bastante acessível de forma a facilitar as pesquisas dos utilizadores. O motor de busca, presente quer na primeira página da antologia quer nas três secções principais, é uma excelente ferramenta de pesquisa.

A editora do Luminarium colocou à disposição de todos utilizadores um grande número de sítios que contêm informações relevantes em relação à Literatura Inglesa das três épocas que compõem a antologia. Os documentos incluídos no sítio pertencem à editora, à excepção da página de Introdução da secção do “Renlit” e do “Sevenlit”, que pertencem à WWW.Norton&Company. Existem, porém, páginas que pertencem a outros indivíduos, mas que se encontram devidamente assinaladas. A editora demonstrou preocupação em anexar à antologia alguns sítios que pudessem dar credibilidade ao Luminarium, exemplo disso é a ligação ao sítio Norton Topics Online e a referência, na secção “A Letter from the Editor”, à consulta da The Norton Anthology of English Literature para assegurar a validade da informação contida no sítio. Por outro lado, a inclusão de artigos e ensaios quer de professores, quer de alunos pode suscitar algumas dúvidas em relação à validade da informação disponível nestas secções. Embora todos os artigos redigidos por alunos estejam assinalados, há uma tendência por parte dos utilizadores (principalmente alunos) em tomar como verdade incontestável aquilo que lhes é apresentado em linha. Há aqui uma grande contradição porque, se por um lado estudiosos e professores duvidam da validade da informação presente nestes artigos, por outro lado muitos utilizadores não contestam a informação (em consequência da falta de informação relativa ao assunto). Por este motivo torna-se importante que a editora consiga transmitir aos utilizadores do sítio uma sensação de confiança em relação aos materiais que são apresentados. O facto de a editora, mais uma vez na secção “A Letter from the Editor”, referir que este sítio tem fins educativos e, como tal, preocupa-se em apresentar informação e materiais válidos, serve como ponto de partida para que os utilizadores possam aceder às diferentes secções sem grandes motivos para dúvidas. Jokinen refere ainda que os documentos inseridos que provêm de colaboradores são submetidos a uma revisão por parte de um grupo de pessoas que possuem autoridade nesses temas.

Não considero as colaborações inseridas no Luminarium como duvidosas, pelo contrário, acredito que são bastante importantes e benéficas para o estudo e pesquisa quer de professores quer de alunos, uma vez que servem de comparação ou contraponto para as ideias dos próprios utilizadores do Luminarium. Obviamente não podem ser lidas de ânimo leve nem como se fossem verdades incontestáveis (mas isso não deve acontecer com qualquer tipo de texto, nem mesmo de autores conceituados).

As edições em linha e, acima de tudo o sistema do hipertexto permite aos utilizadores desenvolver uma pesquisa personalizada, de acordo com os seus próprios objectivos, ao seu próprio ritmo (pode prolongar-se mais numa página ou noutra) e não se restringe nem é limitado pela hierarquia típica do livro tipográfico. O utilizador pode realizar a sua pesquisa de uma forma aleatória, sem que tenha de obedecer a regras impostas pela materialidade do livro, constituído por introdução, desenvolvimento e conclusão. Quando acede a um sítio, como o Luminarium, o utilizador pode “saltar” de imediato para a terceira secção e para a página dedicada ao autor John Milton. Contudo, e já que este sítio se apresenta como uma antologia on-line, a forma de consulta não difere da consulta normal de uma antologia impressa. A diferença está na quantidade e variedade de informação que o utilizador tem à sua disposição. Ao aceder ao Luminarium o utilizador vê-se não só confrontado com as obras dos autores e com aspectos relevantes da vida de cada autor, mas tem já possibilidade de pesquisar sobre o que críticos e pessoas “comuns” pensam acerca do assunto que está a pesquisar, sem necessidade de consultar outras antologias, outros livros ou revistas como seria o caso aquando de uma pesquisa através de uma antologia impressa.

A possibilidade de trocar ideias, como já foi referido anteriormente, e de beneficiar das pesquisas, estudos e opiniões de outros estudiosos ou simples estudantes, permite a execução de pesquisas muito mais vastas. Se atentarmos no caso da aplicação deste sítio ao ensino, poderemos facilmente concluir que o Luminarium permite aos alunos a realização de uma pesquisa muito mais elaborada e mais rápida.

De facto, a inserção das novas tecnologias de transmissão do conhecimento e da informação no processo educativo tem vindo a ser desenvolvida, no sentido de facilitar simultaneamente a todos os estudantes o mesmo tipo de informação, a mesma quantidade e a possibilidade de a ela aceder sempre que necessário ou desejável.

Têm sido apontadas já algumas consequências, ou melhor, transformações provocadas pelo uso da Internet e de toda a informação disponível em linha, nomeadamente no que diz respeito ao papel do professor e do aluno. Enquanto que o professor através dos meios mais básicos de instrução (livros) enfrenta ao mesmo tempo várias responsabilidades no processo educativo, através da Internet e da possibilidade que os alunos possuem em desenvolver uma nova forma de estudo e de pesquisa a partir de toda a informação que lhe é posta à disposição, o professor deixa de desempenhar o papel principal em favor do desenvolvimento de um processo de estudo progressivamente autónomo.

Além disto, a variedade de temas e assuntos disponíveis on-line incentivam e facilitam a interdisciplinaridade. É impossível separar as ligações disponíveis em linha e, uma vez dentro da rede, o aluno tem a possibilidade, como é o caso do Luminarium, de obter informações não apenas referentes à Literatura Inglesa Renascentista, mas também em relação a aspectos culturais variados, políticos, económicos entre outros.

Contudo, o papel do professor não pode ser ignorado. Pois, da mesma forma que em consequência da Internet ser uma rede onde está depositada uma grande quantidade e variedade de informação ser vista como bastante benéfica para o processo de ensino, este facto pode, por outro lado, constituir alguns problemas nesse mesmo processo.

Os alunos devem ser preparados e correctamente informados acerca da melhor forma de utilizar a Internet no seu estudo. Cabe ao professor orientar o estudo e a pesquisa dos alunos para que estes, ao aceder a um qualquer sítio da Internet, possam ser capazes de realizar as suas pesquisas, não apenas aceitando tudo o que lhes é apresentado, mas rejeitando e aceitando as informações e os materiais disponíveis. Os alunos devem desenvolver a capacidade de avaliar a validade da informação de acordo com os objectivos do seu estudo para que não entrem num estado de “confusão” total ao serem confrontados como uma imensidão de ocorrências ao digitar uma palavra ou frase num motor de busca.

Atendendo a este facto, podemos mais uma vez comprovar a importância e validade do Luminarium, já que este sítio ao ter sido construído com o intuito de facilitar a pesquisa e o estudo relativo à Literatura Inglesa Medieval, Renascentista e do Séc. XVII, já procedeu a um processo de selecção de materiais e à sua compilação, permitindo aos alunos uma pesquisa muito mais rápida e dentro de um âmbito menor.

Por outro lado, torna-se necessário que os alunos estejam sensibilizados para o uso apropriado da informação recolhida através da Internet, já que há normalmente uma grande tendência a plagiar e usurpar ideias e teorias que por serem disponibilizadas on-line podem criar a ideia de que não possuem autor e que podem ser utilizadas como sendo ideias próprias por qualquer utilizador. Esta tendência parece diminuir à medida que a idade dos alunos aumenta, por isso cabe aos professores incutir a noção de que a informação disponível em linha deve servir para uma confrontação com as próprias ideias e para auxiliar o seu estudo, de maneira a que desde cedo, os alunos possam retirar o melhor proveito dos novos meios de transmissão de informação.

 

índice | contents


Conclusão

 

Ao terminar a análise de um sítio tão vasto quanto o Luminarium torna-se relevante registar as principais conclusões que este trabalho permitiu formular.

O Luminarium apresenta-se como uma antologia on-line, através da qual, qualquer utilizador pode facilmente realizar as suas pesquisas de acordo com os seus objectivos. A antologia possui grande variedade de informação, a qual foi seleccionada e compilada pela editora, que determina quais os materiais e textos que devem estar disponíveis no Luminarium. A criação deste sítio teve como principal objectivo auxiliar e facilitar o estudo da Literatura Inglesa de três épocas diferentes. Como tal, destina-se principalmente a estudantes e professores, já que ambos podem utilizar o sítio como uma ferramenta de trabalho, aquando do seu estudo ou pesquisas.

Apesar de todos os benefícios trazidos pela possibilidade de consultar on-line a obra de qualquer autor, é necessário estar atento às alterações provocadas por este novo meio de informação, nomeadamente no âmbito escolar. Os responsáveis pelo processo educativo devem ter plena consciência aquando da utilização destes recursos de forma a sensibilizar os alunos para uma utilização correcta da informação disponível em linha.

Por último, considero relevante referir que, apesar dos esforços desenvolvidos pelos responsáveis pelo desenvolvimento dos países, muitos são ainda aqueles que não têm acesso a este tipo de tecnologia. Por isso, é recomendável que os benefícios dos novos meios de informação e comunicação não sejam um motivo para distanciar algumas minorias (ou maiorias) que ainda nem sequer tiveram acesso ao meio de transmissão de informação anterior – o livro.

 

Julho de 2004

Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra

© Maria Conceição Bastos, maria_cbastos@hotmail.com

 

índice | contents


Bibliografia

Abram, Kathryn. "Electronic Textuality: A Bibliographic Essay", in <http://www.mantex.co.uk/ou/resource/elec_txt.htm>  (acesso 07-06-2004).

McGann, Jerome. "The Rationale of Hypertext" ,in <http://www2.iath.virginia.edu/public/jjm2f/rationale.html> (acesso 07-06-2004).

Shillingsburg, Peter L. "Electronic Editions", in Scholarly Editing in the Computer Age: Theory and Practice, Ann Arbor: University of Michigan Press. 1996, pp 161-171.

Luminarium<www.luminarium.org/lumina.htm> (acesso Julho de 2004).

 

 

índice | contents


Valid CSS!| Valid XHTML 1.0 Transitional| Site Map | Contact | Updated 11 Feb 2013 | ©2005-2013 Manuel Portela